Sobre mim

Gênese do gosto para a informática

Encontrava-me naquele momento em que perguntamos: “O que é que eu vou fazer ‘quando for grande?'”.  Não estou a falar da pergunta que se faz às crianças, estou a falar do momento de assinalar os papeis para a faculdade.

Um jovem tem pela frente duas decisões muito importantes que determinam em muito o nosso sucesso e felicidade: com quem vamos casar, e qual a profissão que vamos escolher.  Se a primeira até já estava bem encaminhada, e acabou por dar em casório 🙂 a segunda ainda era uma incógnita, eu sei, costuma ser ao contrário!

Havia uma genética familiar na área da saúde, mas também circulava nas veias o gosto pelo ‘mundo digital’.

Nos anos 90, ainda estávamos no tempo dos 386 (se é que alguém sabe se lembra do que estou a falar), a internet era um ‘bicho’ meio estranho que ninguém sabia muito bem como lidar com ela, e os telemóveis eram tijolos com teclas que serviam apenas para fazer chamadas.

Na escola, decorria o projecto Minerva (Meios Informáticos no Ensino Racionalização Valorização Actualização): Um projecto do Ministério da Educação Português entre os anos 1985 e 1994, que consistia na implementação das Tecnologias de Informação e Comunicação, nas escolas preparatórias e secundárias. Nessa altura o ecrân era preto com letras brancas, e fiz nesse ‘sistema fascinante’ o meu primeiro programa em linguagem QuickBASIC. O que fazia, era pedir o peso do utilizador, multiplicar pela gravidade dos vários planetas do sistema solar e devolvia o peso do indivíduo nos vários planetas.  Muito básico, mas era o meu primeiro projecto no mundo da informática, e marcou o início do meu gosto na área.

Ao iniciar o 10º ano, escolhi a área das ciências, e na derradeira decisão, a tendência familiar falou mais alto: Ingressei na Escola Superior de Enfermagem de Artur Ravara. Na verdade, passar a vida à frente de um computador acabou por ser menos atractivo do que o contato humano. Mas o gosto pela informática caminhou comigo, e mais do que um hobbie,  em todos os serviço por onde passei (excepto o primeiro que nem  sequer computadores tinha) desenvolvi aplicativos para melhorar o meu modos operandis e dos meus colegas.

Aplicativos para os serviços

Em 2003, aquando da visita ao meu novo local de trabalho, ainda não inaugurado: o Centro de Saúde de Santo António dos Cavaleiros – extensão de Loures, verifiquei satisfeito, que havia PC’s em todas as salas.  Perguntei: “E qual é o aplicativo que vamos usar?” Resposta: “Dossiers com folhas lá dentro!”  Foi então que comecei a lamber manuais de M.S.Access, e a melhorar as minhas capacidades de programação. Veja aqui os primeiros aplicativos que produzi na altura, e que ainda estão a uso.

Em 2005, inaugurei o Atendimento Médico Permanente do Hospital da Luz, o “hospital sem papel”. É então que me falam das “folhas de consumo”! Pretendiam que para cada cliente, fosse feito uma cruz numa listagem de quase 1.500 artigos! Lembro-me de, na altura, ter dito: “Ok, preciso de 15 dias” Está aqui, este e outros aplicativos que ainda estão a uso.

Em 2009 inaugurei o Hospital da Luz – Centro Clínico da Amadora, e …. bom, acho que conseguem imaginar o que aconteceu. Como responsável, são vários os aplicativos criados para dar resposta às múltiplas atividades da clínica. ver aqui.

Em 2012 como Prestador de Serviços no Hospital Beatriz Ângelo, não me deixei ficar quieto, aqui estão.

Pelo caminho, produzi outros aplicativos, como por exemplo para o centro de produção multimédia, entre outros: ver aqui.

Em 2018, mudei de paradigma, e iniciei a programação de APP’s para Android. O primeiro SOS Febre e Dor, seguiu-se SOS Vómitos e Diarreia e mais já fervilham no meu pensamento, haja tempo. Pelo caminho, lançei-me também pela edição de sites.

Em especial, o meu agradecimento para todos os colegas, que carinhosamente me chama o “informeiro” (uma simbiose de informático com enfermeiro).  Obrigado pelo incondicional apoio em todos estes desafios, e dizer-vos que é por vocês e para vocês que as ideias surgem e se materializam em ferramentas funcionais que ‘descomplicam’ a nossa prática diária. Bem hajam.

Aqui gostaria do comentário de quem já usou alguma vez algum dos aplicativos que criei

Site e Blog

Aos 40 anos, apeteceu-me criar um site para divulgação de todo o conteúdo que descrevi acima! Toca a ‘lamber’ foruns, sobre: dominios, hospedagem, segurança SSL, CCS, PHP, html, e aqui está o resultado. Não satisfeito, embora não seja propriamente fã de redes sociais, adicionei uma página de blog ao site,  para divagar pelas minhas ‘considerações’ mentais.  O blog começou há pouco tempo (Março 2019). Se fores como eu, e não tiveres pachorra para mais um blog, não leias!  se quiseres, fica à vontade, passa por lá, dá uma vista de olhos, e comenta o que te apetecer.